terça-feira, outubro 24, 2006

Errar é Humano

“Não vale a pena viver discutindo sobre tudo; faz parte da condição humana errar de vez em quando”

F. Nietzche



Um dos escritores da moda, o brasileiro Paulo Coelho, escreveu na Gazeta do Sul um pequeno artigo a propósito de F. Nietzsche, afirmando que “O medo de errar é a porta que nos tranca no castelo da mediocridade: se conseguirmos vencer esse medo, estamos dando um passo importante em direcção à nossa liberdade.”.

Esta ansiedade para a performance é cada vez maior nos tempos vertiginosos em que vivemos. Mais do que nunca a sociedade exige de nós o melhor! Aprendemos que temos que ser os melhores em tudo! Iludimo-nos considerando o óptimo melhor que o bom, perdemo-nos numa busca incessante por perfeição. E desiludimo-nos, ao verificar que afinal de contas a realidade não é bem assim, e que só podemos desfrutar do tempo a nosso favor se tivermos a coragem de estabelecer compromisso entre a perfeição e o suficientemente bom.

Mais do que nunca somos postos à prova a diversos níveis e mais do que nunca nem sempre detemos auto-confiança suficiente sobre determinado assunto, seja do foro pessoal, profissional ou mesmo social. E então adiamos. Procrastinamos a decisão que nos conduzirá a consequências desconhecidas, de certa forma assentando na imprevisibilidade reactiva da sociedade. “Efeito borboleta” sobejamente conhecido e que tememos porque, acima de tudo, o ser humano tem necessidade da aceitação pelos seus pares.

Mas precisamente este medo de fracassar será também desencadeador de um “efeito borboleta”. Porque na cadeia de eventos que envolve os vários aspectos da vida de cada um de nós, todas as reacções e todas as não-reacções têm consequências.

É neste ciclo vicioso de eventos que reside uma das causas do stress de que a sociedade padece.

Etiquetas: , ,

1 Comments:

Blogger Bass Line said...

Não pude deixar de comentar este post, mas quero dizer q me apetece comentar estes últimos quatro, porque o contéudo é interessante, e nalguns casos apaixonante!
A frase do F. Nietzche é muito verdadeira, e chega a ser redundante se pensarmos que a imperfeição é própria do ser humano. Só não se torna óbvia se estivermos a ver o filme demasiado perto do ecrãn.
Conheço alguém, que viveu na aceitação integral, na resignação, na apatia, talvez por receio da tempestade, do choque, ou mesmo da possível inviabilidade de uma situação. De tal modo que a necessidade de ser se impôs a tudo, e passou a por por em causa todos os detalhes do erro humano, passando a procrastinar tudo á sua volta, pelos mesmos motivos. A busca da perfeição torna-se inútil quando é ultrapassada pelo "suficientemente bom". Mas todo este processo, faz parte do crescimento do ser humano, é preciso deixar amadurecer para colher. Começa pelo respeito por nós próprios, pelos outros, e pela vida. E não deve ser a exigência dos tempos modernos que faz focar na perfeição, mas sim na aceitação da realidade.
A evolução e aceitação das mentalidades e da forma de estar, deve ser vista como o caminho para o compromisso entre o suficientemente bom e a perfeição!! Mas quem sou eu para dizer tudo isto? Se calhar alguém que inconscientemente passou pela fase da busca da perfeição e se viu perdido por ser inatingível.
Parabéns pelo tema!
É preciso ter Arte!!
Bjs Gds

terça out 31, 02:41:00 da manhã 2006  

Enviar um comentário

<< Home

Solar X-rays:

Geomagnetic Field:
Status
Status
 
From n3kl.org
Number of online users in last 3 minutes